Loading...

20 outubro 2010

Cansados…

Em agosto de 1930, Joseph Crater, de 45 anos de idade, despediu-se de seus amigos depois de um jantar em um restaurante em Nova Iorque, pegou um táxi e foi para casa. Nunca mais foi visto ou se ouviu falar dele...

Uma busca em seu apartamento revelou uma pista. Era um bilhete preso a um cheque, e ambos se destinavam à sua esposa. O valor ali registrado era de uma quantia considerável e o bilhete dizia apenas: “Estou muito cansado. Com amor, Joe”.

O bilhete poderia ter sido apenas um pensamento no final de um dia difícil. Ou poderia ter significado muito mais – o epitáfio de um homem desesperado.

O cansaço é difícil. Não falo do esgotamento físico que sentimos depois de cortar a grama, nem do mental que conclui um dia cheio de decisões e reflexões. Não, o cansaço que atacou o Juiz Crater é muito pior. É o que chega justamente antes de você desistir. Aquele sentimento sincero de desespero. É o pai desanimado, a criança abandonada, ou o aposentado cheio de tempo. É aquele estagio da vida em que a motivação desaparece: os filhos já cresceram, um emprego foi perdido, um cônjuge morreu. O resultado é o esgotamento – o cansaço profundo, solitário, frustrado.

Somente um homem ao longo da história afirmou ter uma resposta para tudo isso. Ele está diante de todos os Joseph Crater do mundo com a mesma promessa: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei” (Mateus 11.28). (Extraído da obra On the Anvil, de Max Lucado)

17 outubro 2010

Pediu Braços E Recebeu Pernas

Para Refletir...(22/09/10)

"O qual, vendo a Pedro e a João que iam entrando no templo,
pediu que lhe dessem uma esmola. E disse Pedro: Não tenho
prata nem ouro; mas o que tenho isso te dou. Em nome de
Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda" (Atos 3:3, 6).

O pregador estava visitando a casa de um dos membros de sua
igreja. Durante o jantar, uma pequena menina, filha mais
nova do dono da casa, dirigiu-se ao ministro e falou: "Eu
ouvi o que você pregou hoje". "Ouviu mesmo?" perguntou o
pregador. "Diga-me, então, sobre o que foi o meu sermão
hoje?" "Você falou sobre um homem que pediu braços e recebeu
pernas". (Nota: A história é traduzida. O pregador falou
sobre um homem pedindo "alms" - esmolas, e a pequena menina
entendeu "arms" - braços)

Apesar de nossa ilustração ser engraçada, pela confusão de
palavras da garota, conduz-nos a uma reflexão séria. Muitas
vezes pedimos alguma coisa a Deus e parece que Ele não nos
atende. Nem nos damos conta de que Ele respondeu, sim, mas
de outra maneira. Nem sempre o que buscamos de Deus é o
melhor para nós. E Ele sabe qual a nossa real necessidade. O
coxo da porta do templo pedia esmolas, mas, o que recebeu
foi muito melhor do que uma simples moeda. Ele podia agora
andar, trabalhar, ganhar seu sustento, e viver de forma
abundante e feliz. Ele não recebeu o que pediu, porém,
começou a dar glórias a Deus pela grande bênção alcançada.

Como reagimos quando Deus não nos dá o que pedimos? Temos
compreendido que Ele nos ama e que a Sua resposta é sempre a
melhor possível? Temos colocado a nossa vontade em plano
inferior à vontade do Senhor? Temos nos submetido à Sua
direção, crendo que é o caminho mais apropriado para uma
vida plena de conquistas?

Muitas vezes perdemos um longo tempo aguardando uma bênção
de Deus quando ela já veio e de forma melhorada. Todos os
ingredientes necessários à nossa vitória estão à nossa
frente e continuamos murmurando pela falta de resposta. E só
o que nos resta é abrir os olhos espirituais e ver as
grandes maravilhas do Senhor... e exultar de alegria... e
viver.

Paulo Roberto Barbosa.
Um cego na Internet!

03 outubro 2010

Eleição

“…como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis  diante dele em caridade…” (Ef 1.4)

Hoje é um dia importante para todos os brasileiros, o dia de eleição sempre o é. Embora a classe política de nosso país não seja vista com bons olhos e sua imagem esteja super arranhada por todos os escândalos a que estamos acostumados a ver dia após dia, o brasileiro (que não desiste nunca. Rs) continua crendo que o seu voto pode fazer alguma diferença para o futuro de sua cidade, seu estado e do país.

Hoje temos milhares de candidats concorrendo, cada um querendo nos convencer de que merece o nosso voto, mas, ao final, só alguns chegarão a sentar nas cadeiras de eminência.

No nosso caso, a eleição é diferente. Segundo o apóstolo Paulo, a igreja de Cristo já é eleita, antes da fundação do mundo. A igreja já foi escolhida por aquele que é acima de todas as coisas, Criador, Senhor e seu único Redentor para viver para ele em santidade e amor.

Os candidatos estão tentando uma cadeira no Legislativo e no Executivo, mas a Igreja já tem a sua cadeira preparada na Grande Ceia das Bodas do Cordeiro, do qual ela é a Noiva.

O mandato aqui é de quatro anos (oito pra Senador), mas o reinado da Igreja será eterno junto ao seu Noivo. Sem noite, sem choro, sem sofrimento, somente gozo, paz e alegria no Espírito Santo.

E se você quiser ser um desses eleitos, entrar junto com a Igreja Triunfante no céu de glória, a porta (ainda) está aberta. Entregue sua vida a Jesus neste dia mesmo e vai poder viver com o Senhor para sempre.

Boa votação! Deus salve o Brasil!