Loading...

30 março 2011

O destino de todos nós…

Pois, quando morrer, nada levará consigo; a sua glória não descerá após ele. Salmos 49.17

Acabei de assistir um episódio do CSI sobre um ator rico e famoso que morre ao tentar fazer algo consigo mesmo. Em todo filme uma cena me chocou: quando levam o corpo para fazer a autópsia e colocam uma etiqueta no dedão do rapaz.

Assim… tipo… pare pra imaginar a pessoa mais bonita, ou mais rica, ou mais cheia de vida ou mais inteligente que você conhece naquela situação: deitado numa mesa de necrópsia identificado por um etiqueta… A produção foi bastante feliz nessa cena porque mostrou o que realmente acontece quando a morte chega para quem quer que seja. E o episódio termina novamente com a mesma cena e os investigadores questionando exatamente isso: de quê adiantou tanta fama, tanto dinheiro?

Aumentando, nós podemos questionar: de quê vai adiantar a fama, o poder, a riqueza, a beleza, a juventude, a experiência, a inteligência, os títulos, os prêmios, os cargos, a arrogância, a soberba quando chegar a “senhora encapuzada com a foice na mão”? NA-DA!

Por isso não podemos ter o nosso coração preso às coisas desta vida porque todas elas são passageiras como a fumaça. Ele deve ser ligado às coisas eternas, à vida eterna que é Cristo Jesus: o verdadeiro e infalível tesouro. Com esse tesouro “etiquetado” em nosso coração, fruiremos uma vida cheia de alegria aqui e a vida eterna quando partirmos dessa vida.

Pense nisso…

Um comentário:

CONFERENCISTA RICARDO RIBEIRO disse...

Até que enfim, encontrei teu Blog Adriano. Paz do Senhor amado. Muito bom por sinal. Apareçe lá no meu. Inicialmente, pretendia postar muita coisa de teologia e dos cursos que fizera.

No entanto, ao ver a ameaça real do Movimento Gayzista contra a Igreja no Brasil e constatar raras vozes que se faziam ouvir, resolví dedicá-lo a esta causa junto com nosso Heróico Júlio Severo, Psicóloga Rosângela Justino, Silas Malafaia, Augusto Nicodemos, Pascoal Piragine, entre tantos.

Esclarecendo em tempo, que amamos sim a Pessoa Homossexualizada mas, não ao Movimento de Homossexualização do GLSBT. Ajudei aqui no presídio onde atuamos, a um Homossexual, que além de aidético era "Pai-de-santo". Homofobia é um conceito ridículo e malicioso.

Junte-se a nós na Defesa da família pois, sei desde que te ví quando ainda era uma tenra criança nos braços de irmã Rosinalda em Vila do Tenente, que reconheci a sublime Missão de Deus a ti confiada. Portanto, desperta para a mesma em forma de gratidão por tantas bençãos alcançadas e por alcançar. Dê um forte abraço no meu amigão Paulo Rocha e em sua mãe citada. Forte abraço amigo, paz.