Loading...

22 outubro 2007

Lave seu Sofrimento com as Lágrimas da Esperança!

 
 
 
 
 
 
 

 

"Com lágrimas se consumiram os meus olhos,
turbada está a minha alma, e o meu coração se derramou de
 angústia por causa da calamidade da filha do meu povo; pois
desfalecem os meninos e as crianças de peito pelas ruas da cidade" 
( Livro das Lamentações  do Profeta Jeremias 2.11)
 
             O livro das "Lamentações de Jeremias" é um relato do olhar do profeta para a cidade de Jerusalém, assolada, destruída e com cheiro de morte; situação causada pelo  desterramento de boa parte de sua população para a Babilônia.

              O livro das "Lamentações de Jeremias" é esse olhar para o sofrimento, numa tentativa de tentar compreende-lo e, ao mesmo tempo, harmonizar a sua realidade diante da fé.

Compreender o sofrimento é uma tentativa constante dos seres humanos em todas as eras e em todos os lugares. C. S. Lewis escreveu que "O erro e o pecado são um mal mascarado; o sofrimento é um mal às claras, indiscutível. Todo homem sabe que algo está errado quando sente dor".[1].

É justamente a anormalidade do sofrimento que nos traz os mais tenebrosos questionamentos. Há momentos na vida que o céu parece estar longe demais e a terra não pode ser sentida sob os pés. Que o nosso olhar não consegue vislumbrar absolutamente nada à frente, e nem nossas palavras conseguem expressar. Nossos conhecimentos não explicam, nossa fé parece ser pequena demais, nossos credos, doutrinas e chavões até então cridos como verdades inflexíveis, parecem perder o sentido. Não há como pensar ou falar, tão somente 'sentimos a dor'.

Diante do sofrimento podemos reagir de muitas maneiras:

1. indiferença:

Numa sociedade voltada para o consumo e para o bem-estar pessoal, a indiferença frente ao sofrimento dos outros é quase sempre a primeira alternativa a ser seguida.

Mark Twain, "É muito fácil lidar com a adversidade. Com a dos outros, especialmente". [2]

Jeremias sentiu o sofrimento da cidade! Jeremias chorou a dor da cidade! Jeremias questionou a Deus pelo sofrimento da cidade. Jeremias orou a Deus para que consolasse os aflitos e angustiados da cidade. Jeremias sabia que somente Deus poderia consolar a dor daqueles que sofriam.

Como temos reagido frente ao sofrimento dos outros?

Jesus ensina-nos a reagir frente ao sofrimento dos outros...  As palavras compaixão e misericórdia, são freqüentemente utilizadas para as ações de Jesus frente aos que sofriam. Precisamos pedir a Deus que encha nosso coração de compaixão por este mundo que sofre! O egoísmo, o amor a si mesmo, e a indiferença, a preocupação somente com o que me é próprio, são as marcas do inferno; mas o amor, a marca do Reino de Deus, nos faz voltar nossos olhos ao próximo e estender-lhes as mãos!

 

[1] O problema do sofrimento. São Paulo, Mundo Cristão, 1983, p. 67

[2] apud SWINDOLL, Charles.  O Mistério da Vontade de Deus.   São Paulo, Mundo Cristão. 2001, p. 14.

2. Revolta.

Jeremias não se deixa dominar pela indiferença, mas tampouco pela revolta. A rebeldia pode ocupar nosso coração se nossa visão sobre Deus for distorcida ou nosso conhecimento sobre Ele for superficial.

A revolta é a rebelião contra aquele que está no poder, ou que detém o poder. Diante do sofrimento muitos permitem que a revolta ocupe lugar no coração. A revolta contra Deus é, em suma, o sentimento que nasce por se considerar Deus impotente e, ou, indiferente.  

Jeremias não se revolta contra Deus. Ele fica indignado com o sofrimento, mas não fica indignado com Deus.

O que Jeremias faz?

3. Jeremias lava seu sofrimento nas lágrimas da esperança (leia Jeremias 3.19-25).

Jeremias vai de encontro ao sofrimento, mas percebe que o olhar para o sofrimento pode secar a fé no coração. Sem Deus, o sofrimento torna-se absoluto. Mas a fé em Deus, é a certeza que não há outro absoluto senão Ele mesmo, (vs. 17-18).

Jeremias torna as suas lágrimas de indignação pelo sofrimento em lágrimas de esperança. Não é o soluço do rebelde e desesperado, mas o pranto do que crê e, por isso, espera em Deus.

Esta é a mesma experiência de Jó. O livro de Jó conta o caminho da revolta à esperança.

 

                "Na fé cristã, a angústia não nos separa de Deus, mas ao contrário nos conduz a uma comunhão mais profunda com Deus. A fé cristã em Deus é essencialmente comunhão com Cristo, e a comunhão com Cristo é essencialmente a comunhão com o Cristo que foi tentado e que sofreu e se sentiu abandonado. Em sua própria angústia, o homem participa na angústia de Cristo, pois Cristo em seus sofrimentos passou pelos mesmos sofrimentos e angústias que afetam os seres humanos"

                "Por isso, na espiritualidade cristã, Cristo crucificado sempre serviu de consolo na angústia e no medo. E, certamente, não precisamente porque Cristo, como Filho de Deus, pode viver essencialmente livre da angústia e incapaz de sofrer, mas sim precisamente por causa da  sua 'angústia e seu castigo' (...) Isto se expressa de um modo impressionante naqueles versos de Paul Gerhardt: 'Quando meu coração se encontra/ na angústia mais profunda/  livra-me das angustias/por tua angustia e teu tormento"[1].

                                            

Ézio Martins de Lima, Rev. 

Igreja Presbiteriana Independente Central de Brasília - DF



[1] MOLTMANN, Jürgen,  Experiencias de Dios.  Salamanca, Sigueme, 1983, p. 68.

 

Oração e Aconselhamento.- Testemunho   
         
  
 
    Designer - Eveline          

                   
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


No virus found in this incoming message.
Checked by AVG Free Edition.
Version: 7.5.488 / Virus Database: 269.15.5/1084 - Release Date: 21/10/2007 15:09
Paulo Adriano Rocha
NINGUÉM PODE TE AMAR COMO JESUS TE AMA!
http://pauloadriano.spaces.live.com
www.jograis.oi.com.br
www.vocalelshaday.xpg.com.br

Nenhum comentário: