Loading...

01 fevereiro 2011

Como preocupar-nos menos

Como preocupar-nos menos

Não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? ou: Com que nos
vestiremos? Mateus 6:31

Jaime e o pai estavam olhando uns quadrinhos de parede numa livraria. Eram quadrinhos que traziam escritos vários pensamentos.
— Olhe este, Jaime, o pai lhe disse. Acho que vou comprá-lo para nossa casa. Pode ajudar-nos.
Jaime olhou o quadro. E leu: "Por que se preocupar quando se pode orar?"
— Sim, senhor, disse o pai. Se nós orássemos mais, não viveríamos tão preocupados, estou certo.

Quando chegaram em casa com o quadrinho, a mãe de Jaime disse: — Eu preciso mesmo deste lembrete. Quando temos visitas, eu me preocupo com o que posso servir. Preocupo-me com nossas contas a pagar, com as crianças e com o serviço da casa que preciso terminar. Acho que preciso orar mais.

Enquanto falavam, Rute entrou na sala. Ela ia a uma festa da mocidade na igreja.
— Mamãe, ela disse, meu vestido tem mancha, e não posso usá-lo. Que é que vou pôr? Não tenho nada para vestir. Que horror!

Jaime então mostrou a Rute o quadrinho que dizia: "Por que se preocupar quando se pode orar?" A princípio Rute achou ruim. Depois riu e disse: — Se eu falar com Deus sobre o meu vestido, tenho certeza que ele fará o assunto parecer menos importante. É verdade que tenho outros vestidos.

E assim aquela família aprendeu o segredo de como diminuir, de como minorar as
preocupações.

Jesus disse: "Não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? ou: Com que nos vestiremos?" As pessoas que O conservam no coração descobrem que não há muitas coisas que merecem preocupação. Pois elas sempre têm alimento e roupa suficiente, ou qualquer outra coisa de que realmente precisam.

Leitura bíblica: Mateus 6:31-34.

--
Paulo Adriano Rocha
NINGUÉM PODE TE AMAR COMO JESUS TE AMA!
www.jograis.com
http://abibliaeeu.blogspot.com
www.paulo2907.multiply.com


--
Esta mensagem foi verificada pelo sistema de antivírus e
acredita-se estar livre de perigo.

Um comentário:

Moyses Alexandre de Godoi disse...

Essa era uma família verdadeiramente cristã!
No entanto reproduzir essa história na prática na igreja atual, pode ser uma tarefa bem difícil, mas não impossível.

Graça e Paz...